AGRESTE MALVAROSA
.

release
malvarosa
ficha técnica
imprensa
fotos

 
 
Agreste

 

AGRESTE MALVAROSA, DRAMA SURPREENDENTE DE AUTOR DE AS CENTENÁRIAS, GANHA ADAPTAÇÃO PRIMOROSA
“O cenário minimalista, reprodução do interior de um casebre, a bela trilha sonora executada ao vivo pelo músico Beto Lemos e a direção certeira abre o caminho para as atrizes. Em um exercício de interpretação primoroso, a dupla se desdobra em personagens masculinos e femininos, aos quais oferecem identidades autênticas, sem exagero nem caricatura. Entre um tipo e outro, Rita e Milene narram a história montando e desmontando as cenas, construídas com soluções criativas e singelas. Na combinação entre a simplicidade da execução e a narrativa lírica de Newton Moreno reside a força do espetáculo de final surpreendente.”

Letícia Pimenta

Revista Veja Rio | Rio de Janeiro

 
visualizar

BELA FÁBULA CONTRA O PRECONCEITO   
Bela e original, contundente em sua investida contra o preconceito relativo ao amor incondicional, esta fábula de Newton Moreno recebeu uma versão cênica bem ao estilo da Cia. Amok Teatro, que, dentre outras características, privilegia a música como elemento integrante da ação e confere a esta um caráter algo ritualístico.

No tocante ao elenco, Milene Ramalho e Rita Elmôr se entregam apaixonadamente à tarefa de narrar e viver múltiplos personagens, e o fazem de forma irrepreensível, exibindo total domínio de seus recursos expressivos. E a mesma excelência se faz presente na cenografia e figurinos assinados por Brodt, assim como na iluminação de Renato Machado.

Lionel Ficher

SERTÃO GANHA TONS ONÍRICOS
Saga nordestina dirigida por Stephane Brodt e Ana Teixeira investe em dubiedades afetivas.
Como faz em suas encenações no Amok, a dupla nesta primeira investida fora do grupo busca a mesma ancestralidade de fabulação, a área imemorial da lembrança e a corporificação “étnica” do espaço.
(...)
As atrizes Milene Ramalho e Rita Elmôr integram com igual intensidade o despojado jogo interpretativo, em atuações pautadas por finos traços para desenhar contornos rudes de delicada cenografia humana.

Macksen Luiz

Jornal do Brasil

 
visualizar

“Este espetáculo, por sua originalidade, qualidade do texto, direção e primoroso trabalho das duas atrizes, deveria ser levado a todos os palcos do Brasil. Principalmente nas pequenas e grandes cidades do nordeste, onde há muito tempo a realidade televisiva e tecnológica segregou das novas gerações uma cultura, hoje, agonizante. Agreste Malvarosa também conta a história dessa cultura. Mais do que isso, reafirma a existência do verdadeiro teatro.”

Weydson B. Leal

ABCA – Associação Brasileira de Críticos de Arte

 
visualizar

 

Ana Teixeira e Stephane Brodt, do Amok Teatro, grupo já conhecido em Porto Alegre, assinam a direção desse texto de Newton Moreno e musicado por Beto Lemos, apenas alguns nomes de uma ficha técnica que dá vontade de elogiar inteiramente. E faço: fazer chorar no teatro é muito mais difícil do que no cinema. O ator de prata não ouve a gente soluçar e a sala é muito mais escura e impessoal. O ator de carne e energia presente vive com a gente no mesmo espaço e o lugar, como é bem típico, não tem nada de impessoal. As cadeiras onde sentamos concordam com a dureza da história. As paredes do cenário avançam sobre a plateia. O público não assiste. O público presencia, participa testemunha.

Rodrigo Monteiro – POA

There is no Place Like Home

 
visualizar
 
Português English Francais