NOVIDADES

A cena final, com o israelense tocando cello e o palestino tambor, numa pungente sonoridade complementar, arrebatadora. O contraponto entre reflexo e emoo o verdadeiro jogo de O Drago, que evita tomar partido de qualquer um dos lados dado pelos quadros que se armam pra desvendar a engenharia teatral e desarmam para retratar sentimentos explodidos.


Jornal do Brasil | Rio de Janeiro

24 de julho de 2018
Voltar




<