O Dibbuk

Ambientada numa comunidade judaica da Europa Oriental, O Dibuk, ou “Entre dois Mundos”, de Schalon An-Ski, conta a estória do amor contrariado de dois jovens de situação social diferente: Lea, filha de um rico hassidin e Hanan, jovem estudante que se inicia nos mistérios da Cabala. A peça evolui entre o mundo visível e invisível, propondo uma reflexão sobre a alma e o seu destino.

Escrita na Rússia em 1911, a peça aborda um tema eterno e universal e está impregnada de lendas e crenças do hassidismo, movimento místico fundado por Baal Shem Tov no século XIX. O hassidismo colocou o foco no ardor e na simplicidade do sentimento religioso e se propagou no meio de uma população marcada pela pobreza e perseguições.

Dirigido por Stephane Brodt e Ana Teixeira em 2000, O Dibuk Ã© o resultado do encontro deste universo com um grupo de atores da Casa das Artes de Laranjeiras no Rio de Janeiro. Este velho mundo, já desaparecido, ofereceu um campo fértil para abordar o espaço teatral e levar o jogo até a fronteira entre o sonho e a realidade.

 

"O Dibuk é o nome da alma errante de um morto. Em certas circunstancias, um Dibuk penetra no corpo de um vivo. O Dibuk, que se manifesta no corpo escolhido com a voz do falecido, é um grave perigo para o hospedeiro e tem de ser expulso por meio de práticas exorcistas. "

A. Rosenfeld



GALERIA




FICHA TÉCNICA

Adaptação Ana Teixeira
Direção, cenário e figurino Ana Teixeira e Stephane Brodt
Elenco
- Sender Ricardo Damasceno
- Lea Juliana Chalita
- Fraidel, Batlan Carolina Chalita
- Rabi Azriel, Batlan Renata Collaço
- Um jovem hassid, Batlan Bruno César
- Mensageiro, Rabi Sholem Fernando Lopez
- Hanan Marcus Pina
- Meier Ronaldo Patrício
- tzadik de Miropol,Um hassid Cassiano Gomes
- Mulher Idosa, Mihal Ludmila Wirchansky
- Henoc, Nachman Carlos Erruas
- Guitel Eliete Jardim
- Rabi Mendel Carina Tomaz
- Manassés Rachel Alves
- Chavra Rachel Alves
- Virna Angela Delphin
- Juizes Ronaldo Patrício, Camila Monteiro e Angela Delphin
Iluminação Stephane Brodt
Produção CAL – Casa das Artes de Laranjeiras
Produção executiva Marcia Quarti
Projeto gráfico Paôlo
Cenotécnico Gino Pate
Assistente de iluminação Binho Schaefer
Costureira Tânia Dias

No espetáculo são utilizadas máscaras tradicionais do teatro balinês, confeccionadas por Ida Bagus Oka, Ida Bagus Anom e I Nyoman Setiawan.








VOLTAR